Cuba proíbe acesso de empresas a caixas eletrônicos, limita transações em dinheiro

Cuba proíbe empresas de acessar caixas eletrônicos e limita transações em dinheiro.

HAVANA, 3 de agosto (ANBLE) – O Banco Central de Cuba emitiu regras nesta semana proibindo empresas estatais e privadas de usar caixas eletrônicos e limitando transações em dinheiro entre elas, na tentativa de controlar a inflação desenfreada e as atividades informais em meio a uma grave crise econômica.

As regulamentações entraram em vigor na quinta-feira. Elas limitam as transações em dinheiro a 5000 pesos e serão implementadas gradualmente ao longo de seis meses, segundo a mídia oficial.

O governo fixa o valor do dólar em 24 pesos para empresas selecionadas, turistas e residentes, embora tenha poucos para trocar. Atualmente, o dólar é negociado a 230 pesos no mercado informal. As autoridades comunistas buscam conter a inflação galopante, que o governo estima em 45% até agora este ano, e controlar a desvalorização do peso por meio de uma série de medidas para promover a “bancarização” no país e incentivar o uso de “pagamentos eletrônicos”, disse um comunicado publicado na quinta-feira na mídia oficial.

A inflação foi de 39% no ano passado e mais de 70% em 2021, de acordo com o governo – números que muitos ANBLEs afirmam subestimar a taxa, pois não levam adequadamente em conta um mercado informal em expansão.

O ministro da Economia, Alejandro Gil, afirmou no final do mês passado que o produto interno bruto cresceu 1,8% no primeiro semestre do ano, mas ainda está 8 pontos percentuais abaixo dos níveis pré-pandemia em 2019, causando escassez de alimentos, medicamentos, combustível e outros bens básicos, além de longas filas para comprá-los quando estão disponíveis.

A crise levou a uma falta de confiança no sistema bancário estatal, resultando na falta de dinheiro em alguns caixas eletrônicos, pois as empresas os utilizam, deixando os residentes em apuros.

As regulamentações estabelecem como objetivo que “as cobranças e pagamentos entre atores econômicos não sejam realizados em dinheiro… mas sim de forma eletrônica”.