O diretor criativo da Supreme renunciou abruptamente, citando racismo sistêmico, o que a marca negou

O diretor criativo da Supreme renunciou, citando racismo sistêmico, o que a marca negou.

  • Tremaine Emory está saindo da gigante do streetwear Supreme.
  • Emory citou o “racismo sistemático” como um dos motivos para deixar a marca.
  • A marca disse que discorda dessa caracterização, mas desejou-lhe sorte.

Tremaine Emory está deixando seu cargo de diretor criativo da Supreme após um ano e meio na posição.

A saída de Emory da marca de streetwear foi anunciada na quinta-feira. Em uma carta de renúncia vista pelo Business of Fashion, Emory citou o “racismo sistemático” e a falta de funcionários pertencentes a minorias como motivos para sair.

Em uma postagem no Instagram, Emory disse que ele e os executivos da Supreme discordaram sobre uma colaboração com o artista Arthur Jafa.

O designer alega que a Supreme cancelou o lançamento de camisetas retratando um homem negro sendo linchado e a infame foto de Peter (anteriormente conhecido como “Gordon”), um homem liberto com cicatrizes terríveis nas costas por causa da brutalidade dos proprietários de escravos. Emory disse que o projeto de Jafa “foi secretamente cancelado sem que ninguém me dissesse nada”.

A Supreme deu uma versão diferente dos eventos em seu comunicado ao Business of Fashion.

“Embora levemos essas preocupações a sério, discordamos veementemente da caracterização de Tremaine em relação à nossa empresa e ao tratamento do projeto de Arthur Jafa, que não foi cancelado”, disse a Supreme em um comunicado ao BoF. “Essa foi a primeira vez em 30 anos que a empresa trouxe um diretor criativo. Estamos desapontados por não ter dado certo com Tremaine e desejamos a ele o melhor para o futuro”.

Emory alegou que “lutou com unhas e dentes” com os executivos da Supreme para “alinhar-se a eles em um comunicado à imprensa explicando que deixei a Supreme por questões raciais sistêmicas na empresa”.

Ao longo dos anos, Emory trabalhou com Ye e o falecido Virgil Abloh em suas respectivas marcas, e fundou sua própria marca, Denim Tears, em 2019.

A Supreme foi fundada em 1994 e é popular entre skatistas e a comunidade de hip-hop.

Ela foi adquirida pela VF Corporation, proprietária da Vans e Timberland, por cerca de US$ 2,1 bilhões em 2020.