Remessas para o México perto de um recorde em junho, mas o peso forte enfraquece o impacto

Remessas para o México em alta em junho, mas peso enfraquece impacto.

CIDADE DO MÉXICO, 1º de agosto (ANBLE) – As remessas para o México totalizaram US$ 5,57 bilhões em junho, pouco abaixo da máxima histórica alcançada no mês anterior, mas amortecidas em termos reais pela forte valorização do peso em relação ao dólar.

As remessas de junho – dinheiro enviado para casa por trabalhadores mexicanos no exterior – foram 8,3% maiores do que no ano anterior, segundo dados divulgados pelo banco central do país na terça-feira. No entanto, em pesos, as remessas na verdade diminuíram 6,2% em relação ao ano anterior, disse o analista do Goldman Sachs, Alberto Ramos.

O peso se fortaleceu mais de 15% em relação ao dólar de junho de 2022 a junho de 2023, impulsionado por taxas de juros mais altas e pela “nearshoring”, ou seja, a realocação da produção em grande parte da Ásia para a região.

A valorização tem levado algumas comunidades mexicanas, que dependem muito das remessas enviadas dos Estados Unidos, a restringir os gastos. Enquanto isso, alguns trabalhadores nos EUA tentaram enviar mais dinheiro para casa para amenizar o impacto.

Com o aumento das remessas em junho, o México alcançou um recorde trimestral de US$ 16,3 bilhões e quebrou um recorde de 12 meses de US$ 61,2 bilhões.

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, disse que o México deve arrecadar mais de US$ 60 bilhões neste ano fiscal. No primeiro semestre do ano, as remessas alcançaram US$ 30,2 milhões.

No entanto, com a atividade econômica nos Estados Unidos se moderando, é provável que as remessas para o México desacelerem nos próximos trimestres, disse Ramos.